Olá! Como vai você?

Espero lhe encontrar muito bem!

Para começar bem o ano, hoje, quero lhe falar mais uma vez sobre Autoconsciência e Autoconhecimento. Talvez você não saiba, mas o motivo pelo qual abordo tanto estes assuntos é porque estou à frente do Processo Hoffman no Brasil – um curso de Autoconhecimento desenvolvido e aplicado há mais de 50 anos, e que é mundialmente reconhecido por seus resultados.

A verdade é que, embora esses temas só tenham se tornado mais populares recentemente, o criador do Processo Hoffman já os tratava como de suma importância cinco décadas atrás. Para Bob Hoffman, era muito clara a relação entre Autoconhecimento e as Inteligências Emocional, Intelectual, Física e Espiritual (sem conotação religiosa): quanto maior a consciência de si, maiores serão suas chances de se tornar mais inteligente a seu próprio respeito e a respeito de tudo que lhe cerca.

De fato, Bob foi um dos primeiros a defender essa causa. Em seguida, muitos e muitos pesquisadores se debruçaram nesse universo e lançaram livros e palestras motivacionais que até hoje provocam altíssimo impacto na vida de tanta gente – inclusive a minha. Eu também fui e continuo a ser profundamente beneficiada pelo trabalho do Autoconhecimento, que, como sempre digo, é uma via sem fim.

Primeiro, você se olha.
Depois, “se estuda”: quem sou eu e como me tornei essa pessoa?
E, em seguida, você assume o protagonismo: estou satisfeito(a) com quem me tornei? Quais transformações pessoais posso empreender para ser ainda melhor – em primeiro lugar para mim e, em seguida, para tudo e todos que estão ao meu redor?

Nós, seres humanos, temos ainda a crença de que nos tornaremos – se já não o somos – perfeitos. Isso é mito. Neste estágio de evolução em que nos encontramos, pelo menos, ninguém nunca terá 100% de suas totais capacidades e habilidades desenvolvidas; ninguém será capaz de sempre acertar e nunca errar.

Mas isso não deveria ser motivo para desânimo. Pelo contrário. Significa apenas que, tanto individualmente como socialmente, temos ainda muito o que fazer, muito para aprender, e muitas chances para concretizar nossas metas, objetivos e sonhos. Já imaginou que chato se houvesse uma fórmula pronta e única para que todos pudéssemos viver uma mesmíssima vida e do mesmíssimo jeito?

Bem, dito isso, o que eu quero lhe contar hoje é que a Autoconsciência impacta sua vida de maneira decisiva e, se você assim quiser, muito positiva. Inclusive em aspectos que nem poderia imaginar! Então, veja a seguir a lista que preparei com todo carinho.

 

a Autoconsciência impacta sua vida de maneira decisiva e, se você assim quiser, muito positiva. Inclusive em aspectos que nem poderia imaginar!

A autoconsciência ajuda a diminuir sua ansiedade

Muitas e muitas pessoas chegam ao Processo Hoffman justamente em busca de alívio para a ansiedade. Algumas, inclusive, trazem relatos importantes sobre as dificuldades e obstáculos que enfrentam diariamente “só” porque se sentem ansiosas.

Veja: ansiedade significa permanecer com a cabeça e as emoções focadas lá no futuro, presas ao que ainda está por vir. Ou seja, quando comprometido(a) inconscientemente com a ansiedade, você deixa de viver o presente.

Digo “inconscientemente” porque, sinceramente, ninguém abre mão do próprio presente voluntariamente, porque quer, não é mesmo? Os ansiosos assim o fazem porque assim aprenderam e, hoje, apenas repetem esse comportamento de maneira compulsiva. E sabe qual é a saída?

É prestar atenção a si mesmo. Eu sei que parece simples, mas este é um exercício poderoso contra a ansiedade: pare, respire, volte-se ao seu presente e perceba como e o que você está vivendo hoje. Olhe para dentro e pergunte: “qual área ou quais as áreas da minha vida estão me fazendo pensar e agir assim, e por quê?”. Identificar o que realmente está deixando você ansioso é “consciência”, e isso é essencial até para que você possa começar a fazer mudanças.

 

A Autoconsciência aumenta sua prosperidade

Acredite em mim: é muito possível e até provável que, inconscientemente, você esteja adotando comportamentos que impedem sua prosperidade e abundância. Aliás, além de um impacto direto no seu bolso, esses comportamentos podem provocar estresse, ansiedade e depressão, entre outras doenças.

Então, observe-se. Veja quais são seus pensamentos que levam a emoções negativas. Por exemplo: você é do tipo que costuma repetir “minha vida é trabalhar, mas o dinheiro nunca é o suficiente”? “Com dinheiro, resolveria todos os meus problemas”? “Preciso economizar ao máximo, porque nunca se sabe o futuro”?

O dinheiro é uma das questões que mais desestruturam a nossa vida, porque está relacionado ao “autovalor”, ao TER valer mais que o SER. Por isso, se não revisarmos tais crenças a partir da Autoconsciência, certamente encontraremos dificuldade para obter bem‐estar e êxito em diversas áreas da vida.

Vale lembrar que tais paradigmas estão, na maioria das vezes, enraizados dentro de nós desde a infância, e mesmo que façamos exatamente o oposto ao que ensinaram nossos pais, ainda assim, continuaremos condicionados.

Precisamos aprender que ter dinheiro significa conquistar uma qualidade de vida extraordinária, não pelo que podemos comprar, mas por tudo o que iremos desfrutar. Além disso, compreender que ambição não é algo negativo, pois significa o desejo de buscar e alcançar sempre mais. Esse é o comportamento que trará abundância.

 

Com Autoconsciência, você se sente mais bonito(a)

Acho que você ficaria surpreso em saber quantas e quantas pessoas passam pela minha sala de aula simplesmente porque se sentem feias. Aliás, o que chamam de “feio” vai muito além das características físicas externas: elas se acham incapazes, menores, menos inteligentes, menos hábeis, menos atraentes, enfim, inferiores ao que elas próprias consideram “bonito”.

Bem, para começar, esse conceito também é uma criação infantil. Nós trazemos, daquela época, a referência do que consideramos bonito e do que consideramos feio. E, evidentemente, enquanto não questionarmos essas referências e valores, ficaremos escravos de uma imagem irreal e, provavelmente, impossível de ser alcançada (lembra que a perfeição não existe?).

O que a Autoconsciência faz é equilibrar a sua autocrítica. Sim, porque a autocrítica se torna excessiva a partir do momento em que produz essencialmente sensações negativas, como frustração, impotência e desmotivação. Ou seja, não há motivo para se autocriticar se o resultado dessa análise não nos acrescenta ou não nos oferece um caminho para a mudança.

O processo de olhar para nós mesmos é feito para que possamos identificar em que somos bons e em que podemos melhorar – não para que soframos com o que temos a melhorar, principalmente se essas melhorias exigirem decisões ou escolhas impossíveis.

Portanto, a autoconsciência tende a fazer com que todos nós nos sintamos mais bonitos e melhores a nosso próprio respeito. Afinal, se saio do meu paradigma infantil da perfeição e da beleza, ganho a chance de criar um novo paradigma, no qual bonito de verdade é tudo aquilo que já sou e tudo aquilo que trabalharei para me tornar!

 

A autoconsciência diminui sua insegurança

Você já reparou como a insegurança é consequência do medo? Medo de fracassar, de ser rejeitado, não ser reconhecido, valorizado, amado… Medo por não ter o controle sobre o que vai acontecer amanhã – e este é um dos piores medos, pois, de fato, nós nunca teremos a certeza absoluta do que acontecerá amanhã, o que, além de tudo, também aumenta a nossa ansiedade.

A autoconsciência é essencial para amenizar sua insegurança por um motivo muito simples: mesmo que seus medos sejam despertados por fatores externos, é sempre dentro de você que esse sentimento se forma. Então, se é dentro de você que ele se inicia, reconhecer os gatilhos que antecedem esse sentimento pode ser a chave para brecá-los.

Afinal, se você é capaz de perceber que se sente inseguro(A) TODA vez que se vê diante de uma determinada situação, na próxima, será capaz de dizer a si mesmo(a): “estou com medo, mas é só medo; como posso lidar melhor com esta emoção?”.

Obter melhor discernimento sobre suas emoções, levantando a reflexão e o questionamento sobre o que está sentindo, já é um passo importantíssimo de consciência, pois é a partir daí que você pode fazer as mudanças.

Bem, por hoje é só! Espero ter lhe ajudado com mais esta reflexão.

Nos falamos em breve.

Temas:

CEO do Centro Hoffman, é expert em Autoconhecimento e Inteligência Comportamental, considerada uma das maiores especialistas no método Hoffman no Brasil. Palestrante, Coach, Master Practitioner em PNL, Consteladora Sistêmica, autora de "O Mapa da Felicidade" e de "Perdão, A Revolução que Falta", além de coautora de mais sete livros sobre Gestão de Pessoas, Liderança e Coach.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *