Olá!

Hoje, quero lhe explicar a importância da Inteligência Espiritual na vida profissional. Embora ainda se fale muito pouco sobre esta competência, nesses mais de 35 anos em que atuo como especialista em desenvolvimento humano, constatei que há uma relação muito evidente entre uma coisa e outra – ou seja, para mim está muito claro que, quanto mais inteligentes espiritualmente as pessoas se percebem, mais conseguem agir com sabedoria para se sobressair na carreira.

E eu vou lhe explicar o porquê neste artigo, mas, antes, preciso ter certeza de que você sabe do que estou falando: Inteligência Espiritual não tem necessariamente nada a ver com religião! Trata-se, na verdade, de uma habilidade inata a todos os seres humanos. Corresponde, essencialmente, à nossa intuição, e consiste numa competência que já está “instalada” em todos nós, mas que frequentemente é absolutamente ignorada – o que é uma pena!

 

A Inteligência Espiritual se manifesta sempre que a nossa “voz” interna ecoa, quase insistindo para que atentemos seriamente ao que ela nos diz – porque, sim, de fato, o que ela tem a dizer é muito importante! Se você já tomou uma decisão baseado(a) na sua intuição, deve se lembrar como isso acontece: somos tomados por uma força grandiosa, que nos impele a determinado caminho; e, uma vez que assim fazemos, as chances são de que não mais olharemos para trás.

A Inteligência Espiritual na tomada de decisões profissionais

Imagine só, por exemplo, que você está diante de uma escolha profissional muito difícil; que está tentando decidir se deve ou não sair de um emprego estável, no qual sente que já aprendeu tudo o que tinha para aprender, para tentar a sorte numa nova companhia, que está lhe oferecendo salário similar, mas muitas novas possibilidades e caminhos. Como é que você toma essa decisão?

Num cenário como este, muitas pessoas recorrem às listas de prós e contras. Enumeram tudo o que pode dar certo e tudo o que pode dar errado em cada uma das possibilidades que estão ao seu alcance e, somente daí, fazem uma escolha. Outras preferem deixar que o coração decida e agem baseadas essencialmente na forma como se sentem diante de cada opção. E há também as que procuram “escutar” ambos os lados, mas acabam pendendo para um ou outro.

A verdade é que, na hora de tomar uma decisão importante, frequentemente, nós nos deixamos levar por apenas uma de nossas inteligências, ou a emocional ou a intelectual. E, ao “ignorar” o que diz a outra, naturalmente geramos um grande desequilíbrio para nossas vidas.

É a velha história, por exemplo, de quem mudou de emprego em troca de um salário melhor, mas, no final, desistiu de tudo porque o novo trabalho não trouxe satisfação; ou de quem decidiu viver daquilo que mais gostava de fazer, mas, eventualmente, precisou arrumar um outro trabalho, já que aquele de sua preferência não gerava renda suficiente.

Em suma, fazer uma escolha com base apenas no que nos diz o intelecto ou o nosso ser emocional é excluir uma de nossas competências do processo de tomada de decisão. E a melhor maneira de alcançar o equilíbrio, ou seja, de realmente decidir com a cabeça e com o coração devidamente alinhados, é a partir da Inteligência Espiritual – aquela energia interna que surge espontaneamente, mesmo sem ser convidada, para nos dizer que “a escolha a é melhor que a b”.

Tenho certeza que você sabe do que estou falando!

A Inteligência Espiritual se manifesta sempre que a nossa “voz” interna ecoa, quase insistindo para que atentemos seriamente ao que ela nos diz – porque, sim, de fato, o que ela tem a dizer é muito importante! Se você já tomou uma decisão baseado(a) na sua intuição, deve se lembrar como isso acontece: somos tomados por uma força grandiosa, que nos impele a determinado caminho; e, uma vez que assim fazemos, as chances são de que não mais olharemos para trás.

Isso é intuição. Isso é sabedoria interna. E isso também é Inteligência Espiritual, uma habilidade que nos dá equilíbrio entre a razão e a emoção.

Conteúdo relacionado:

 

Inteligência Espiritual é a habilidade para solucionar problemas

Algum tempo atrás, a física e filósofa americana Dana Zohar lançou o livro “QS – Inteligência Espiritual”, em que aborda o assunto de forma extremamente eficiente. Formada pela Universidade de Harvard, com pós-graduação no Massachusetts Institute of Tecnology (MIT), a autora deu uma entrevista à Revista Exame em que afirmou:

“Inteligência Espiritual é uma terceira inteligência, que coloca nossos atos e experiências num contexto mais amplo de sentido e valor, tornando-os mais efetivos. Ter alto quociente espiritual (QS) implica ser capaz de usar o espiritual para ter uma vida mais rica e mais cheia de sentido, adequado senso de finalidade e direção pessoal. O QS aumenta nossos horizontes e nos torna mais criativos. É uma inteligência que nos impulsiona. É com ela que abordamos e solucionamos problemas de sentido e valor. O QS está ligado à necessidade humana de ter propósito na vida. É ele que usamos para desenvolver valores éticos e crenças que vão nortear nossas ações”.

Essa noção é muito, muito parecida com a abordagem da metodologia Hoffman. Dentro do Processo Hoffman, também trabalhamos com a ideia de que a Inteligência Espiritual está intimamente ligada ao propósito de vida. Por sua vez, fortalecer a conexão com o nosso propósito de vida é o que nos dá fôlego para trabalhar por nossos objetivos, para buscar a felicidade, o bem-estar e a plenitude tão almejados por todos nós.

Mas há algo ainda mais espetacular sobre a Inteligência Espiritual: quando estamos devidamente conectados a essa competência, temos condições ainda melhores de solucionar problemas que, até então, pareciam quase impossíveis de serem sanados. Isso porque passamos a dispor, efetivamente, dos nossos melhores lados trabalhando lado a lado – de toda a nossa razão e de toda a nossa emoção devidamente alinhadas e empregadas na mesma direção.

Mais que isso, a Inteligência Espiritual nos possibilita conquistar resiliência para os momentos difíceis, bem como aceitação para aquilo que é imutável. Afinal, quando paramos de negligenciar o nosso coração em detrimento da nossa mente (ou vice-versa), quando encontramos esse equilíbrio, nos tornamos aptos a procurar novos caminhos sem ressentimentos ou mágoas quanto ao que deu errado – afinal, temos a profunda compreensão de que fizemos o nosso melhor e, às vezes, resultados negativos acontecem mesmo assim.

Bem, espero ter lhe dado bons motivos para investir na sua Inteligência Espiritual!

Se precisar de ajuda ou quiser saber mais, pode me escrever: [email protected].

Até a próxima!


O Processo Hoffman é o maior curso de autoconhecimento do mundo e tem seus resultados comprovados cientificamente.

Temas:

CEO do Centro Hoffman, é expert em Autoconhecimento e Inteligência Comportamental, considerada uma das maiores especialistas no método Hoffman no Brasil. Palestrante, Coach, Master Practitioner em PNL, Consteladora Sistêmica, autora de "O Mapa da Felicidade" e de "Perdão, A Revolução que Falta", além de coautora de mais sete livros sobre Gestão de Pessoas, Liderança e Coach.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *