Olá!

A metodologia Hoffman, que embasa o Processo Hoffman, o maior curso de Autoconhecimento do mundo, defende que absolutamente todos nós, seres humanos, temos de lidar com o chamado “Lado Escuro”. E, hoje, eu gostaria de lhe falar um pouquinho mais sobre o seu Lado Escuro – afinal, enquanto estiver inconsciente da existência dessa parte que lhe compõe, você continuará sendo influenciado(a) por ela sem nem mesmo perceber.

Para continuar a minha explicação, vou lhe dar um exemplo bastante comum, que aconteceu num dos nossos grupos outro dia. Havia, na turma, um senhor de idade muito, muito intransigente. Do alto dos seus 75 anos, usou e abusou de um certo ar de superioridade perante os colegas de grupo logo nos primeiros momentos do curso. Ironizava, bufava, virava os olhos sempre que alguém dizia alguma coisa, QUALQUER coisa. Incomodou (e muito) a todos ao redor com seu comportamento, mas… Ele nem sequer imaginava que era isso que estava fazendo.

Este senhor tinha tido uma vida muito difícil. Como muitos no Brasil, nascido em uma família pobre, começou a trabalhar muito cedo para ajudar a pagar as contas da família. Em alguns momentos, deixou de comer para que seus irmãos mais novos pudessem se alimentar – tinha sido ensinado, pelos pais, que este tipo de responsabilidade lhe cabia por ser o mais velho de cinco crianças. Mas, sim, eram todos ainda crianças quando isso aconteceu.

Trabalhou muito, saiu de casa e se casou cedo, mas nunca deixou de ajudar aos irmãos, especialmente aos dois mais novos – que, com seu apoio financeiro, puderam concluir o Ensino Médio e foram à faculdade na idade considerada ideal. Ele, não. Tornou-se um empresário bem-sucedido a muito custo, como contava, mas sem nenhum estudo. “Não sou inteligente como eles, mas sou muito mais esperto que todo mundo”, era como definia a si mesmo.

Será que, só com esse breve resumo, você já consegue saber aonde vamos chegar? Pois bem, a grande questão daquele senhor era o fato de que, na verdade, acreditava-se inferior a todos. Por isso, evidentemente, usava aquele comportamento de superioridade – era sua forma inconsciente de validar a si mesmo e à própria existência.

 

O Lado Escuro é um pedaço do nosso intelecto que não amadureceu como deveria e que, por isso, continua a nos proteger contra ameaças infantis. Ele insiste para que não tentemos, mas não porque quer impedir nosso sucesso; e, sim, porque quer nos poupar da dor da falha, a mesma dor que sentimos quando crianças nas situações em que fomos repreendidos por nossos erros.

O Lado Escuro insiste em repetir que você é incapaz

Esse é o grande desafio imposto pelo Lado Escuro: ele ratifica e valida as nossas crenças mais profundas, aquelas que nos fazem ter certeza de que não somos merecedores de absolutamente nada; que somos fracos, piores, incapazes, ruins, maldosos, enfim…

Aliás, existe um jeito ainda mais fácil de lhe fazer entender como é que o Lado Escuro age: sabe aquela vozinha que surge na sua cabeça, de vez em quando e do nada, e começa a lhe dizer que você não vai conseguir? Que é melhor nem tentar, nem dar o primeiro passo, nem começar, afinal, você VAI falhar? Pois bem, este é seu Lado Escuro.

A grande questão a respeito do Lado Escuro é que, em partes, ele não é tão mal assim. Quer dizer, é claro que ele causa imensos prejuízos, mas, originalmente, nós só o desenvolvemos no nosso intelecto visando à autopreservação e à autoproteção.

Veja como é interessante: lá atrás, na nossa infância, todos nós desenvolvemos as noções mais básicas, os instintos mais primitivos de como nos proteger. Às vezes, porque fomos orientados por nossos pais (e acatamos as suas instruções e ordens); muitas outras vezes, porque tentamos e descobrimos por conta própria que era mesmo verdade… Fogo queima; tomadas dão choque; correr na escada provoca tombos; e assim por diante.

Naquele momento, o que nós fizemos foi tornar inteligível a informação de que precisávamos nos preservar e nos proteger contra “coisas que machucam”. E sabe o que mais machuca?

Pois bem: tomar bronca; ficar de castigo; se sentir a pior criança do mundo, a mais desobediente, a mais incompreendida, a mais incapaz, a mais indigna de receber amor também foram coisas que nos machucaram muito lá atrás, naquele período. Imagine, então, o que nosso cérebro fez com essa informação!

Conteúdo relacionado:

As dores causadas pelo Lado Escuro

O Lado Escuro é um pedaço do nosso intelecto que não amadureceu como deveria e que, por isso, continua a nos proteger contra ameaças infantis. Ele insiste para que não tentemos, mas não porque quer impedir nosso sucesso; e, sim, porque quer nos poupar da dor da falha, a mesma dor que sentimos quando crianças nas situações em que fomos repreendidos por nossos erros.

Então, na prática, quando seu Lado Escuro lhe afasta das possibilidades, você só está se autopreservando inconscientemente contra as chances de errar e, consequentemente, de reviver a dor da humilhação, do fracasso, da incapacidade e da sensação devastadora de não se sentir merecedor(a).

O problema é que, na tentativa de nos proteger, o Lado Escuro acaba causando exatamente essas dores e esses males – afinal, para nos convencer a não dar o primeiro passo, ele mesmo fica repetindo incansavelmente que nós não somos bons o suficiente!

 

Vença a batalha contra seu Lado Escuro

Lembra do senhor que citei no início deste artigo? Pois bem, o que ele vivia era um grande e ardiloso conflito com seu Lado Escuro. De tanto ouvir a vozinha lhe dizer que era um incapaz, que não tinha conhecimento e que era burro, havia criado mil e um comportamentos contrários – ou seja, queria mostrar, ao mundo, que tinha, sim, um imenso valor e que era, sim, muito capaz! Foi assim que se tornou tão arrogante… Era apenas uma forma de se proteger da crença de que não era bom o suficiente.

É isso o que acontece com todos nós quando não estamos conscientes do que diz o nosso Lado Escuro. Nós, simplesmente, engajamos com as suas mensagens e reagimos impulsiva e compulsivamente para nos proteger de ameaças que, às vezes, nem existem. Como resultado, diminuímos nosso autovalor, nossa autoestima, nosso amor-próprio, tudo porque… Estamos crentes de que, de fato, não valemos a pena!

O Lado Escuro afeta a nossa autoimagem, mas, igualmente, atrapalha muito nossas relações, principalmente com as pessoas a quem mais amamos. Afinal, se estamos tão certos da nossa inferioridade, como é que elas podem nos amar? Na nossa crença infantil, há muitos motivos para duvidar de alguém que nos valoriza, afinal, nós não temos valor.

E sabe como é que se barra tudo isso? Como você (e qualquer pessoa) pode dar um chega para lá no Lado Escuro, colocá-lo no seu devido lugar, bem longe da nossa felicidade e bem-estar?

Sim, a partir do Autoconhecimento e da Autoconsciência.

Você só vai conseguir calar essa vozinha se, em primeiro lugar, puder reconhecê-la. O que é que ela lhe diz? Em quais situações? Do que é que seu Lado Escuro tenta lhe proteger e por quê?

E, daí, terá de usar todo o seu amor-próprio e sua autoestima para mudar a sua crença: você é, sim, um ser imperfeito, que tem suas falhas e limitações; mas, para muito além disso, é também um ser único, capaz de aprender constantemente, capaz de criar relações baseadas em amor e luz, capaz de vivenciar as mais intensas e prazerosas emoções, capaz de fazer a diferença para o seu entorno!

Por que é que você acreditaria no contrário?

Por que é que deixaria o seu Lado Escuro vencer essa batalha?

Espero que você entre nessa luta – e que entre para ganhar!

Um grande abraço e até a próxima!

Amor e luz,


O Processo Hoffman é o maior curso de autoconhecimento do mundo e tem seus resultados comprovados cientificamente.

Temas:

CEO do Centro Hoffman, é expert em Autoconhecimento e Inteligência Comportamental, considerada uma das maiores especialistas no método Hoffman no Brasil. Palestrante, Coach, Master Practitioner em PNL, Consteladora Sistêmica, autora de "O Mapa da Felicidade" e de "Perdão, A Revolução que Falta", além de coautora de mais sete livros sobre Gestão de Pessoas, Liderança e Coach.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *