Estava caminhando pelo parque quando notei que a paisagem estava diferente. A grama, antes rala e sem vida, parecia ligeiramente mais verde. No campo aberto, que nos últimos meses abrigou apenas as mais corajosas árvores (ou, pelo menos, as únicas sobreviventes às baixas temperaturas), pequenos talos de flores começavam a brotar. Sorri sozinha, com o coração feliz. A primavera, de fato, está aí: sua chegada está marcada para o próximo dia 22 de setembro de 2018 às 22h53 (oficialmente, a estação inicia-se somente no dia seguinte).

Tenho uma relação especial com as estações do ano. Creio que cada uma traz um significado e uma oportunidade de fazer, das transformações naturais, um momento propício às mudanças pessoais. O que eu quero dizer é… Já pensou aproveitar o calor e a energia do verão para espalhar igual calor e entregar igual energia às nossas relações? Ou, tal como as árvores que se desprendem de suas folhas no outono, também aproveitarmos esse período para nos desapegar daquilo que já foi?

Bem, verdade seja dita, eu não sou a primeira e nem a única a fazer essa associação. Muito, muito antes de mim, diversos povos antigos também acreditavam que havia uma relação intrínseca entre as fases do ano e suas próprias personalidades, habilidades e potenciais. Para muitos, inclusive, a primavera correspondia ao período mais aguardado, afinal, depois de resistirem ao frio, agora era a hora de começar tudo de novo!

Por isso, em homenagem a tantos de nossos ancestrais, eu gostaria de propor que aproveitássemos a chegada da primavera para promover o recomeço visando ao crescimento, à prosperidade, à abundância e a preparação para um novo ciclo. E, então, aceita o meu convite?

Veja, a seguir, 4 comportamentos que você pode adotar nessa primavera para RENASCER!

 

1) Invista no amor-próprio; abandone a arrogância

Muita gente ainda confunde amor-próprio com arrogância ou com egocentrismo, e essa confusão precisa ser desfeita (até porque os arrogantes e egocêntricos são, via de regra, pessoas que sofrem muito com a falta de autoestima). A verdade é que a felicidade e a plenitude começam na gente, de dentro para fora. Todos nós temos, internamente, recursos para alcançarmos exatamente aquilo que quisermos.

Além disso, somos uma usina geradora de energia, então, aquilo que cultivamos dentro de nós equivalerá a aquilo que vamos atrair e conquistar em nossas vidas. Em outras palavras, tudo é possível e sustentável desde que nasça da gente e para a gente.

Eu só consigo transformar o meu entorno se, antes, transformar a mim mesma; eu só consigo amar ao próximo, ser compassiva e perdoar se, antes, fizer o mesmo por mim. Tem um exemplo que gosto muito de usar quando falo sobre esse assunto. Nos aviões, as instruções de segurança são: em caso de emergência, primeiro você deve colocar a máscara de oxigênio no seu próprio rosto e, só depois, deve ajudar alguém a colocá-la. A razão é simples. Eu só posso ajudar ao outro se, antes, tiver feito por mim mesma.

 

2) Saia do plano das ideias e parta para a execução

Costumo dizer que mudar de atitude requer atenção e intenção, bem como persistência, paciência e prática. Não adianta pensar positivo e ficar somente no plano das ideias; é preciso agir, assumir as rédeas e planejar as medidas necessárias para alcançar os resultados que espero.

Pratique a positividade, que, essencialmente, consiste na elevação da sua consciência: os obstáculos vão surgir, as falhas vão ocorrer, mas o que eu tenho a aprender com tudo isso? Se assim não deu certo, quais são minhas outras possibilidades? A positividade também é um bom remédio contra o imediatismo. Muita gente reclama que faz, faz e faz, mas não obtém resultados, sem perceber que tudo se dá no tempo certo. O universo não nos entrega aquilo que queremos quando queremos, mas, sim, quando estamos prontos para receber o que é nosso por direito.

 

3) Assuma a responsabilidade e faça as suas escolhas

Tomar decisões por conta própria costuma ser um dos desafios mais frequentes da vida adulta. A verdade é que, quando crianças, nossos pais e responsáveis decidiam por nós, e realmente dependíamos deles. O problema é que, em muitas situações a criança, inconscientemente, sente-se impotente e ignorada nesses momentos, como se suas vontades e até personalidades fossem “menosprezadas” na infância – veja, é uma resposta emocional e inconsciente.

Há ainda as situações em que os pais não reconhecem de fato ou incentivam o amadurecimento da escolha como parte do desenvolvimento da maturidade, e acabam tolhendo esse crescimento na criança. O resultado desse processo inconsciente é penoso para a maior parte das pessoas. Algumas se tornam superprepotentes, outras se tornam absolutamente submissas, entre tantos outros possíveis comportamentos.

Sendo assim, a melhor maneira de tomar uma decisão é, de verdade, com consciência. Eu preciso ter ciência a meu próprio respeito, a respeito da minha história e a respeito dos comportamentos que desenvolvi inconscientemente ao longo da vida para compreender quais são minhas possibilidades dentro de cada cenário. E, inclusive, eu preciso saber, profundamente, que toda escolha envolve uma renúncia. A partir dessa compreensão, eu assumo a responsabilidade por mim mesma, o que diminui as chances de que me sinta frustrada – afinal, fui eu quem escolhi este caminho, não o outro.

 

4) Observe como se comporta com seu dinheiro

Inconscientemente, você pode estar adotando certos pensamentos que levam a posturas negativas e que impedem sua prosperidade e abundância. Aliás, além de um impacto direto no seu bolso, esses comportamentos podem provocar estresse, ansiedade e depressão, entre outras doenças.

Então, observe-se. Veja quais são seus pensamentos que levam a emoções negativas. Por exemplo: você é do tipo que costuma repetir “minha vida é trabalhar, mas o dinheiro nunca é o suficiente”? “Com dinheiro, resolveria todos os meus problemas”? “Preciso economizar ao máximo, porque nunca se sabe o futuro”?

O dinheiro é uma das questões que mais desestruturam a nossa vida, porque está relacionado ao “autovalor”, ao TER valer mais que o SER. Por isso, se não revisarmos tais crenças a partir do autoconhecimento, certamente encontraremos dificuldade para obter bem‐estar e êxito em diversas áreas da vida.

Vale lembrar que tais paradigmas estão, na maioria das vezes, enraizados dentro de nós desde a infância, e mesmo que façamos exatamente o oposto ao que ensinaram nossos pais, ainda assim, continuaremos condicionados.

Precisamos aprender que ter dinheiro significa conquistar uma qualidade de vida extraordinária, não pelo que podemos comprar, mas por tudo o que iremos desfrutar. Além disso, compreender que ambição não é algo negativo, pois significa o desejo de buscar e alcançar sempre mais. Esse é o comportamento que trará abundância.

Eu escrevi um eBook gratuito ““3 comportamentos relacionados ao DINHEIRO que limitam sua capacidade de PROSPERIDADE e ABUNDÂNCIA”, que você pode baixar agora mesmo para dar início a um movimento mais aberto e próspero.

Espero que você tenha gostado e que sua primavera seja de puro renascimento!

Até logo! Com amor e luz,

 

 

Temas:

Expert em Autoconhecimento e Inteligência Comportamental, considerada uma das maiores especialistas no método Hoffman, no Brasil. Palestrante, Coach, Master Practitioner em PNL, Consteladora Sistêmica, autora de "O Mapa da Felicidade" e coautora de mais sete livros sobre Gestão de Pessoas, Liderança e Coach. É diretora do Centro Hoffman

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *