Olá!

Outro dia, publiquei, aqui mesmo, o artigo “os ganhos e benefícios do Autoconhecimento no trabalho”, que rendeu muitas interações nas minhas redes sociais.

Por isso, decidi dar continuidade a esse conteúdo, e agora eu lhe trago mais 5 boas razões para investir no Autoconhecimento e fazer a sua carreira decolar. Vamos lá?

Equilíbrio, poder de decisão, perdão, liderança e cooperação: as vantagens do Autoconhecimento no trabalho.

6) Com Autoconhecimento, você se perdoa, em vez de se punir

Como disse no antigo anterior, a busca pela perfeição é prejudicial porque nos mantém numa espécie de pacto com o desamor que funciona mais ou menos assim:

  1. Eu quero ser perfeita, porque quero ser reconhecida e amada por mim e pelos outros;
  2. Mas, quando eu me deparo com um problema, quando eu acredito ou vejo que falhei, quando eu acuso a mim mesma por minha imperfeição, eu entro no estado do desamor. Eu me sinto indigna de ser amada, por mim e pelos outros; indigna de ser reconhecida, parabenizada, elogiada, promovida, recompensada, enfim.
  3. Logo, fico presa num mesmo lugar. Não consigo seguir em frente para uma nova jornada ou me dar a oportunidade de uma nova tentativa que possa me trazer um novo resultado; mas também não posso corrigir ou consertar o passado.

A saída, invariavelmente, é praticar o perdão: somente quando perdoo a mim mesma por minhas incapacidades e falhas é que crio a possibilidade de superação.

Em outras palavras, quando se busca crescimento pessoal ou profissional, é preciso perdoar a si mesmo e aos outros pelos eventuais erros que aconteçam; é preciso ter a compreensão de que todos nós nos deparamos com obstáculos eventualmente, porque somos imperfeitos, e nossa imperfeição existe para nos manter no contínuo fluxo de aprendizado. Nós nunca paramos de aprender. E o que é aprender se não encontrar novas respostas para antigos problemas até que se possa solucioná-los?

Por sua vez, veja só: quando nós escolhemos não perdoar (porque, sim, o perdão é uma escolha), permanecemos no estado do não-merecimento e desenvolvemos formas e mais formas de nos punir pelo o que quer que tenha dado errado – muitas vezes, vale dizer, inconscientemente. E o desamor (ou ainda, a falta de amor-próprio) cria obstáculos ainda maiores à nossa frente. Afinal, se nos acreditamos incapazes, invariavelmente, essa crença será realidade. Em segunda instância, a não superação afeta nosso entorno. Ficamos tão aficionados pelo o que deu errado, que nos tornamos cegos para o que tem dado certo.

 

7) Com Autoconhecimento, você se torna capaz de pedir ajuda

Nós somos seres gregários e relacionais. Isso significa que só existimos a partir do outro, ou ainda, que precisamos da relação com o outro para validarmos a nossa existência. Portanto, há um pedaço grande do caminho de Autoconhecimento que se torna mais fácil quando percorrido com a ajuda das pessoas ao nosso redor. A verdade é que todos aqueles com quem nos relacionamos servem como placas de sinalização e nos contam, a partir de seus gestos e palavras (ou silêncio), aquilo que fazemos e que somos no nosso melhor e, claro, no nosso pior. Então, sempre, sempre, sempre vale a pena se questionar: o que é o que os outros estão contando a meu respeito? Quando eu ajo de determinada maneira, quais são as reações que obtenho? E o que poderia melhorar nesses resultados?

A minha dica aqui, na realidade, é ainda mais ampla: não tenha medo de pedir ajuda. E ajuda em todos os sentidos. Não tenha medo de procurar apoio terapêutico, de realizar acompanhamento psicológico ou psiquiátrico, de buscar novos caminhos que possam lhe trazer novos resultados. Hoje, muitos profissionais e cursos são especializados no desenvolvimento pessoal e profissional, e eu mesma sou prova do quanto essa ajuda por ser bem-vinda e impactante.

Sempre conto que foi o Processo Hoffman que me trouxe até aqui. Depois do treinamento, eu pude olhar para minha história; entender como e com quem eu havia me tornado quem me tornei.

Ali, pela primeira vez, eu pude aplaudir minhas conquistas e meus acertos; eles eram e são meus, eu os alcancei por mérito próprio e, portanto, ninguém melhor que eu para celebrá-los. Pude perdoar a mim mesma pelos meus erros e então chegar a esse lugar transformador: o que eu posso fazer de diferente hoje, agora, para mudar a minha realidade? Para alcançar meus objetivos? Para que a Autoliderança, a positividade e a felicidade estejam presentes diariamente na minha vida? Há mais de 30 anos, o que eu faço é o Processo Hoffman. E minha proposta é que todos comecem essa revolução, essa transformação que “causará” o sucesso.

 

8) Com Autoconhecimento, você se torna um(a) líder melhor

A posição de liderança não chega a você por acaso. Você, com certeza, consciente ou inconscientemente, a procurou. Por isso, ela é sua, assim como a responsabilidade por seus liderados, sejam eles filhos, alunos, colaboradores, parceiros ou funcionários. Sua vida, pensamentos, ações, escolhas e decisões influenciam direta ou indiretamente a vida deles. Essa, creio, é a grande vantagem de ser um líder: ter a consciência de que seus atos e comportamentos terão impacto em todo o seu entorno para, diante dessa consciência, adotar atos e comportamentos que impactem positivamente no seu entorno. Contribuir social, emocional, intelectual e espiritualmente com a sociedade é um dos mais importantes papeis do líder – e ele só alcançará esses resultados se tiver consciência de si.

Mas isso tudo é papo para outro conteúdo, sobre Autoliderança, que você encontra aqui!

9) Com Autoconhecimento, você ganha mais poder de decisão

Quando crianças, nossos pais e responsáveis decidiam por nós, e realmente dependíamos deles para isso. Mas, em muitas situações, a criança – inconscientemente – se sente impotente e ignorada nesses momentos, como se as suas vontades e até a sua personalidade fossem “menosprezadas” pelos seus pais neste processo de tomada de decisões. Veja, é uma resposta emocional, infantil e inconsciente.

Mas, infelizmente, o resultado desse aprendizado infantil  e inconsciente é penoso para a maior parte das pessoas. Algumas se tornam super prepotentes, outras se tornam absolutamente submissas, entre tantos outros possíveis comportamentos. Sendo assim, ao conquistar Autoconhecimento, nós nos tornamos muito mais conscientes do processo que tem nos feito decidir ou nos esquivarmos da tomada de decisões. E, daí em diante, ganhamos a chance de decidir com nossa consciência, não mais de maneira impulsiva e compulsiva.

Eu preciso ter ciência a meu próprio respeito, a respeito da minha história e a respeito dos comportamentos que desenvolvi inconscientemente ao longo da vida para compreender quais são minhas possibilidades dentro de cada cenário. E, inclusive, eu preciso saber, profundamente, que toda escolha envolve uma renúncia. A partir dessa compreensão, eu assumo a responsabilidade por mim mesma, o que diminui as chances de que me sinta frustrada – afinal, fui eu quem escolhi este caminho, não o outro.

Conteúdo relacionado:

 

10) Com Autoconhecimento, você conquista mais equilíbrio entre sua vida pessoal e profissional

Equilibrar a vida significa conciliar as nossas mais importantes inteligências – intelectual, emocional, física e espiritual (e aqui não me refiro à religião, e sim a sua parte sábia, sua intuição) – para que elas possam trabalhar e fluir juntas em tempo integral. Quando despertamos e vivenciamos esse alinhamento, torna-se realmente mais fácil e fluido percorrer o caminho que nos leva ao bem-estar e à harmonia interior. No entanto, em geral, estamos em desequilíbrio com estes aspectos; é gritante o número de pessoas que chegam ao Processo Hoffman com a frase: “minha cabeça diz uma coisa, mas meu coração outra”!

Esse conflito pode, inclusive, afetar a nossa saúde física e emocional – além de nos impedir acesso à nossa grande sabedoria interna, que é a Inteligência Espiritual.

Promover esse equilíbrio interno é uma sustentação para nossa vida, para que possamos definir o que realmente queremos, bem como identificar o que devemos fazer para que essas vontades (esses quereres) se transformem em realidade. Reforço que, quando o equilíbrio nasce de dentro para fora, fica muito mais fácil e sustentável externalizá-lo numa prática constante e coerente com nossos verdadeiros anseios.

Por exemplo: muita gente reclama que não tem tempo para fazer tudo o que deseja/precisa/quer fazer. Pergunto, então: quais são, exatamente, as coisas que você deseja/precisa/quer fazer? Por que e para que você quer realizá-las? Como você pode se programar para realizá-las? E quais são suas prioridades?

O caminho para chegar a este equilíbrio interno requer Autoconhecimento e Autoconsciência. É o princípio básico, pois não há como alinhar aquilo que você mesmo não percebe que está em desalinho. Essas ferramentas são fundamentais para que cada um encontre condições de estabelecer suas prioridades de vida, bem como de executar as atividades a que se propôs sem culpa. O contrário, ou seja, viver culpado pelo que se deixou de fazer, frustrado pela ‘ausência’ de tempo, é um dos maiores e mais comuns desequilíbrios que podemos viver, o qual tem tudo para ser sanado pela consciência de que é isso que estamos vivendo.

Espero ter lhe ajudado!

Até a próxima.


O Processo Hoffman é o maior curso de autoconhecimento do mundo e tem seus resultados comprovados cientificamente.

Temas:

CEO do Centro Hoffman, é expert em Autoconhecimento e Inteligência Comportamental, considerada uma das maiores especialistas no método Hoffman no Brasil. Palestrante, Coach, Master Practitioner em PNL, Consteladora Sistêmica, autora de "O Mapa da Felicidade" e de "Perdão, A Revolução que Falta", além de coautora de mais sete livros sobre Gestão de Pessoas, Liderança e Coach.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *