“O que você realmente deseja em sua vida?”. Foi essa a pergunta que fiz recentemente nas redes sociais em busca de pistas que me ajudassem a montar minha campanha de fim de ano. Acontece que, bem, tão logo as pessoas começaram a interagir com o meu post, reparei que… Puxa vida, eu havia feito a pergunta errada!!! E sabe por quê?

Porque, entre tantas respostas possíveis para a minha pergunta, quase todo mundo estava me dizendo que queria “Paz de Espírito”. E não, não tem nada de errado em querer paz de espírito. Mas, se o maior pedido de todos é o de encontrar e desfrutar de uma espécie de calmaria interna, só me resta reiterar algo que tenho dito há bastante tempo: precisamos todos sair do paradigma da guerra!

Sim, porque, afinal, que guerra particular é essa que afeta a vida de tantas e tantas pessoas? Digo, quais são os conflitos internos, os pensamentos negativos, as discussões individuais, pessoais e intransferíveis que tiram a tranquilidade e o conforto de tanta gente – a ponto de, diante de uma pergunta com tantas possíveis respostas, seu  maior desejo ser a paz de espírito?

A verdade é que almejamos um mundo de paz, mas, na maioria das vezes, fazemos guerra em nossas próprias casas. Queremos ser felizes, amados e viver em pleno conforto, mas deixamos de fazer a nossa parte; pior que isso, ainda esperamos (e cobramos) que o outro saiba como nos trazer felicidade, amor e conforto.

Em grande parte, isso acontece porque, até hoje, o foco das pessoas tem se voltado para fora, para os outros, para o mercado ou, em outras palavras, para a economia, instituições, governos e governantes. Isso gerou inúmeros problemas, como a destruição do nosso planeta, a guerra (em todos os níveis), a diferença social e, acima de tudo, a insatisfação pessoal.

Para mudar esse panorama, é preciso transformar o jeito de ver e de fazer; ou seja, é preciso começar de dentro para fora. E é isto que o Autoconhecimento faz. Desta maneira, uma grande virada acontecerá, mas apenas para as pessoas que tiverem coragem de olhar para si mesmas. A receita para isso é antiga, mas ainda possui poucos adeptos, afinal, o ato de se olhar exige, além de coragem, amor por si mesmo.

A nova ideia é olhar-se por inteiro, com honestidade e abertura, para reconhecer o mais belo, forte e poderoso atributo que temos: nossa humanidade, ainda que isso cause medo e estranhamento em um primeiro momento. Somos humanos e escondemos essa característica sempre que valorizamos, sem perceber, o mundo externo em detrimento de nós mesmos.

Esse é o caminho do amor-próprio, a única trajetória viável e possível contra o medo e contra a guerra. Ou, se preferir, esse é o caminho do amor-próprio, a única trajetória viável e possível em favor da paz de espírito!

Processo Hoffman

Temas: ,

Expert em Autoconhecimento e Inteligência Comportamental, considerada uma das maiores especialistas no método Hoffman, no Brasil. Palestrante, Coach, Master Practitioner em PNL, Consteladora Sistêmica, autora de “O Mapa da Felicidade” e coautora de mais sete livros sobre Gestão de Pessoas, Liderança e Coach. É diretora do Centro Hoffman

2 respostas para “Quais as guerras que roubam a sua paz?”

  1. Taís disse:

    Já tenho paz de espírito… o que me falta são coisas terrenas: viagens e bens materias (casa/carro)! Estou no início da carreira e virei mãe solo. Trabalhar p/ adquirir minha liberdade financeira e essas aquisições, serão as metas até 31/12/18! Bjão, lindo trabalho Heloísa

  2. Irineide Sena de V.Passos disse:

    Muito boa sua reflexão nos favorece qualidade de vida.Muito grata gratissima

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *