O Centro Hoffman promove a palestra “Relacionamento ou Relacionar-se?”
em Goiania e Salvador

Abertas ao público, as palestras serão realizadas no dia 23 de outubro em Goiania, às 20h00, no San Marino Suíte Hotel (Rua Cinco, 1090, Setor Oeste) e no dia 30 de outubro, em Salvador, às 19h30, no Belmar Hotéis
(Av. Otávio Mangabeira, 3345, Jardim de Alah).

Heloisa Capelas, Diretora de Desenvolvimento Humano do Centro Hoffman, apresentará o tema que aborda a constante busca do ser humano por relacionamentos satisfatórios, trazendo reflexões sobre pessoas que pensam em relações felizes e ideais como utópicas, impossíveis de se tornarem reais.

A palestrante falará a respeito dos diversos tipos de relacionamentos, como amizade, paixão, amor, relação entre pais e filhos, entre outros. “Todo relacionamento é como um quebra-cabeça, em que as peças são os afetos. Há dias em que encontramos peças que encaixam na perfeição, e em outros descobrimos que houve um engano, que algumas que não encaixam em lado nenhum. E então ficam pensando se os relacionamentos satisfatórios são mesmo realidade ou não passam de um sonho”, explica.

Segundo a especialista, as pessoas aprendem a lidar e a se comunicar bem com os outros, na medida em que conhecem a si mesmas. “Quando a pessoa passa a se conhecer profundamente, ela também é mais capaz de conhecer e perceber os outros, a ouvir, dialogar, avaliar e conviver de forma saudável”, afirma. Heloisa explica que o autoconhecimento possibilita ao ser humano aceitar-se exatamente como é, e que isso permite desenvolver um amor verdadeiro e saudável pelas outras pessoas. “Os relacionamentos tornam-se mais humanos e amorosos quando os envolvidos se aceitam, se respeitam, se reconhecem e se amam. Para isso o autoconhecimento é fundamental, porque o indivíduo passa a ter consciência da origem de seus comportamentos indesejáveis e da sua maneira de lidar com os outros à sua volta”, completa.

Para Heloísa, é fundamental que o indivíduo se conscientize sobre os quatro aspectos do ser: emocional, intelectual, físico e intuitivo. “As pessoas também precisam explorar cada aspecto do seu ser, para depois restabelecerem a harmonia e o equilíbrio entre eles. Isso é parte indispensável do processo de autoconhecimento e possibilita que o ser humano consiga compreender e enxergar o outro de forma mais clara”, explica.