Olá!

Como vai você?

Hoje, eu quero lhe contar mais um excelente motivo para investir em Autoconhecimento: você sabia que ter consciência de si mesmo(a) é um caminho poderoso para quem quer conquistar mais saúde física e mental?

Sim, é absoluta verdade. Aliás, este também é um dos principais ganhos obtidos pelos alunos que passam pelo Processo Hoffman. De acordo com pesquisas, os participantes deste treinamento de Autoconhecimento se tornam capazes de adotar hábitos progressivamente mais saudáveis – e, assim, obtêm mais longevidade, bem-estar e plenitude.

Talvez você esteja se perguntando como isso é possível, então, eu vou lhe devolver com outra pergunta: você já percebeu quantas vezes adota hábitos compulsivos e automáticos que fazem mal para sua cabeça e para o seu corpo?

Por exemplo:

Você costuma exagerar na comida quando está muito cansado(a) ou estressado(a)?
Ou, então, deixa de se alimentar adequadamente e pula refeições só para ganhar tempo?
Será que tem o hábito de levar o celular para a cama – e, assim, atrapalhar seu próprio sono?

Quais outros exageros você comete, principalmente quando está diante do cansaço, estresse, tristeza e outras emoções negativas?

A minha pergunta, na realidade, é: quais e quantas coisas mais será que você faz sem nem perceber – e que só prejudicam a você mesmo(a)?

E, sim, se formos falar a verdade, é bem possível que algumas dessas ações você até execute de caso pensado: “hoje eu trabalhei muito e mereço dormir mais tarde”; ou “estou muito estressado(a) então vou comer tudo aquilo que me der vontade”; ou “estou triste demais, por isso, vou tomar umas doses a mais”.

Pois bem… O que eu quero lhe mostrar é que, de maneira consciente ou não, você certamente adota hábitos que não lhe fazem tão bem assim. E a minha pergunta é: por que é tão difícil manter o compromisso de saúde com você mesmo(a)? Por que é que você faria, deliberadamente, algo que lhe prejudica?

 

Investigue-se. O que é que você está fazendo de mal consigo mesmo(a)? Quem lhe serviu de modelo – com quem aprendeu esse comportamento? E no que ele resulta?

Autoconhecimento e saúde: descubra a raiz das suas doenças

Pelas salas de aula do Processo Hoffman, passam, todos os anos, centenas de alunos que estão doentes ou, em breve, estarão doentes por conta de seus hábitos negativos. E não, não estou falando apenas sobre os distúrbios alimentares, o alcoolismo, o tabagismo ou o vício em drogas. Estou falando também sobre a forma como se tornaram adictos em trabalho, sexo, televisão, celular, jogos, e tantas coisas mais.

Infelizmente, os vícios são muito comuns e diversos. E o que é importante perceber acerca deles é que tudo o que é feito em excesso tende a ser negativo. Conheci pessoas, por exemplo, que eram tão viciadas na prática de atividades físicas que, infelizmente, o esporte havia se tornado um problema em suas vidas; tivemos de fazer um profundo trabalho de Autoconhecimento para que pudessem reconhecer a origem desse comportamento.

E, então, chegamos aqui ao xis da questão: neste ou nos demais casos, o Autoconhecimento é sempre o caminho para detectarmos a origem dos comportamentos que adotamos. Seja qual for o hábito negativo, é pela consciência de nós mesmos que vamos desvendá-lo, compreendê-lo, perdoá-lo e, finalmente, trocá-lo por outro – melhor e mais saudável.

A ideia é relativamente simples. Por exemplo: há algum tipo de alimento que seus pais não comiam de jeito nenhum e, hoje, você também não come? Há algum hábito negativo que eles mantinham e, hoje, você também mantém? Além disso, o que foi que eles lhe ensinaram mais sobre saúde e sobre bem-estar?

Esta reflexão é o começo de um longo caminho que vai lhe dar as chaves para as mudanças que necessita.

Conteúdo relacionado:

Autoconhecimento e saúde: transformando vícios em decisões conscientes

Eu sei, nem sempre gostamos de assumir, mas a verdade é que está apenas e somente nas nossas mãos. O cuidado com o nosso corpo, com nosso bem-estar, com nossa saúde física e mental é de responsabilidade nossa, o que significa que não podemos terceirizá-la e nem a negligenciar. Neste sentido, então, é preciso compreender por que é que estamos tão comprometidos com hábitos que nos fazem mal para que possamos interrompê-los.

É por isso que a consciência de si mesmo(a) gera saúde; simples assim: quando eu percebo e identifico meus comportamentos negativos, quando revejo o caminho que me levou a adotá-los, quando paro de culpar aos outros pelos aprendizados do passado(a) que ainda repercutem no meu presente, eu enxergo claramente um novo caminho à minha frente.

Um caminho no qual, em vez de adotar esses comportamentos de forma compulsiva e automática, eu decido adotá-los de forma consciente. O que era um vício se torna, então, uma decisão.

Autoconhecimento, saúde e o tabagismo

Até hoje, por exemplo, muitas pessoas que passam pelo Processo Hoffman conseguem abandonar o cigarro. A maior parte delas teve pais e avós fumantes, e por isso o hábito era algo comum no seu dia a dia desde quando ainda eram apenas crianças. Chegaram à fase adulta e, a exemplo do que faziam os membros de sua família, tornaram-se também fumantes: mas, e daí? “A culpa não é minha se foi isso que aprendi”, eles frequentemente se justificam.

Certamente, a culpa não é deles. Mas, uma vez que sabem como absorveram este hábito, a decisão de continuá-lo ou não passa, sim, a ser sua.

O que quero mostrar com isso é que, enquanto não tomamos consciência do que estamos fazendo, de porque estamos fazendo, e de quais consequência vamos obter a partir desses gestos… Invariavelmente estaremos fadados a experimentar resultados negativos que têm impacto especialmente prejudicial na nossa saúde.

Então a minha proposta hoje é: investigue-se. O que é que você está fazendo de mal consigo mesmo(a)? Quem lhe serviu de modelo – com quem aprendeu esse comportamento? E no que ele resulta?

Se você é alguém que desconta a ansiedade num determinado hábito compulsivo, qual é esse hábito? Há alguém, na sua casa de infância, que também agia dessa forma (ou que fazia exatamente o contrário)? Quais resultados essa pessoa costumava obter? E quanto a você, quais resultados está obtendo?

No Processo Hoffman, nós costumamos usar uma frase para explicar o que acontece nesses casos. Nós costumamos dizer que “todos são culpados, mas ninguém têm culpa”.

E, se você quiser saber mais sobre este treinamento e sobre seus benefícios, convido a adquirir meus livros, “O Mapa da Felicidade” e “Perdão, a Revolução que Falta”, nos quais falo bastante sobre a importância do Autoconhecimento (basta clicar no banner abaixo)!

Espero que tenha gostado.

Com amor e luz,

 

Comprar os livros de Heloísa Capelas.

Temas:

CEO do Centro Hoffman, é expert em Autoconhecimento e Inteligência Comportamental, considerada uma das maiores especialistas no método Hoffman no Brasil. Palestrante, Coach, Master Practitioner em PNL, Consteladora Sistêmica, autora de "O Mapa da Felicidade" e de "Perdão, A Revolução que Falta", além de coautora de mais sete livros sobre Gestão de Pessoas, Liderança e Coach.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *